•  
     

Uma breve história dos bancos de dados

Na década de 1950 e nos primeiros anos da década de 1960, o armazenamento e acesso a dados era ainda bastante rudimentar. Enquanto algumas iniciativas de projetos mais avançados estavam em andamento e até mesmo em uso por um número muito restrito de pessoas, a grande maioria dos desenvolvedores ainda armazenava dados em arquivos de texto. Tais arquivos eram normalmente formados por campos de tamanho fixo, e o acesso a eles não requeria mais do que as operações de leitura e escrita em arquivos. Embora esta fosse uma metodologia bastante simples para armazenamento de dados, não tardou para que se percebesse que ela não era a forma mais eficiente, na maioria dos casos.

Assim como na Internet, os bancos de dados como os conhecemos hoje começaram a ser concebidos no Departamento de Defesa dos Estados Unidos da América. Em 1957, essa instituição inaugurou a Conference on Data Systems Languages (Conferência sobre as Linguagens de Sistemas de Dados), também conhecida simplesmente por CODASYL, para desenvolver linguagens de programação de computador. CODASYL é famosa pela criação da linguagem de programação COBOL, mas o que muitos não sabem é que o CODASYL também foi responsável pela criação do primeiro banco de dados moderno.

Em junho de 1963, duas divisões do Departamento de Defesa dos Estados Unidos da América formaram uma conferência entitulada "Development and Management of a Computer-Centered Data Base" ("Desenvolvimento e Gerenciamento de um Banco de Dados para Computadores"). Nesta conferência, o termo database (banco de dados ou base de dados), foi concebido e definido como se segue:

Um conjunto de arquivos (tabelas), onde um arquivo é uma coleção ordenada de registros (linhas), e um registro consiste em uma ou mais chaves e dados.

Dois anos depois, em 1965, CODASYL formou um grupo chamado de List Processing Task Force (Força Tarefa de Processamento de Listas), que mais tarde tornou-se o Data Base Task Group (Grupo Tarefa de Banco de Dados). O Grupo Tarefa de Banco de Dados emitiu um importante relatório em 1971 delineando o Network Data Model Modelo de Dados em Rede, também conhecido como CODASYL Data Model (Modelo de Dados CODASYL), ou ainda DBTG Data Model (Modelo de Dados DBTG). Esse modelo de dados definiu muitos conceitos importantes para bancos de dados, tais como:

A sintaxe para a definição de um schema (a palavra "schema" significa, neste contexto, um modelo para um banco de dados, sendo às vezes utilizada como sinônimo de banco de dados)
A sintaxe para para a definição de um subschema
Uma linguagem de manipulação de dados
Tais conceitos foram posteriormente incorporados na linguagem de programação COBOL. Eles também serviram como base para a definição de muitos outros sistemas de armazenamento de dados subseqüêntes.

Na mesma época em que o CODASYL criava o Modelo de Dados em Rede, outros esforços eram feitos no sentido e criar o primeiro banco e dados hierárquico. Durante a época conhecida como "corrida espacial", a empresa North American Rockwell venceu a concessão para lançar o primeiro módulo espacial à Lua. Em 1966, membros da IBM, North American Rockwell e a Caterpillar Tractor juntaram-se para começar o projeto e desenvolvimento do Information Control System - ICS (Sistema de Controle de Informações) e da Data Language/I - DL/I (Linguagem de Dados/I). Este sistema foi desenhado para auxliar no reboque de materiais necessários para a construção da espaçonave.

A porção ICS do sistema era o banco de dados, responsável pelo armazenamento e recuperação de dados, enquanto que DL/I era responsável pela linguagem de consulta necessária para acessar os dados. Em 1968, a IBM nomeou a sua parte do sistema de Information Management System - IMS (Sistema de Gerenciamento de Informações). Com o tempo, a DL/I foi aprimorado para prover funcionalidades como enfileiramento de mensagens, e tornou-se de fato um gerenciador de transações do IMS. O IMS continuou a evoluir e foi adotado por muitas organizações de grande porte, sendo utilizado por algumas até hoje.

Tanto o Network Data Model (CODASYL) como o IMS (IBM) foram passos importantes, já que, definiram um paradigma de separação de dados de um lado e código de aplicações de outro, e conceberam uma estrutura que delineou o que se espera de um banco de dados. Contudo, ambos possuiam uma desvantagem indesejável: eles considerevam que o programador deve implementar a navegação pelos registros, para achar o que deseja. Por isso, são chamados algumas vezes de navigational databases (bancos de dados de navegação).

Em 1970, Edgar Codd, um cientista da computação britânico que trabalhava na IBM, publicou um importante artigo chamado "A Relational Model of Data for Large Shared Data Banks" ("Um modelo relacional de dados para grandes bancos de dados compartilhados"), no qual, ele introduziu a idéia de relational model (modelo relacional). Neste modelo, Codd enfatizou a importancia da separação de tipos de dados genéricos primitivos das implementações de tipos de dados específicos implementados em uma determinado modelo de computador; e expôs uma linguagem simples de consulta de alto-nível para acesso a dados. Este modelo permitiria que os desenvolvedores utilizassem operações em um conjunto completo de dados de uma única vez, ao invés de trabalhar com um registro de cada vez.

Em 1976 uma abordagem conhecida como Modelo de Entidade-Relacionamento foi criada pelo Dr. Pin-Shan (Peter) Chen. O Modelo de Entidade-Relacionamento (MER) é uma representação conceitual abstrata da estrutura de dados gerando um diagrama conhecido como Diagrama de Entidade-Relacionamento (DER), cujas convenções devem ser conhecidas por todos os participantes do processo de análise, projeto e implementação do banco de dados (usuários, analistas, projetistas, programadores e administradores de bancos de dados).
 
TLBD 1 =D Muito bom!
 
VArCow Escreveu:TLBD 1 =D Muito bom!


é nois na bibliotéca kkkkk
 
Boa postagem ;)