•  
     

Três PMs do caso Amarildo se entregam após ter prisão decretada

Três PMs do caso Amarildo se entregam após ter prisão decretada
Três PMs se apresentaram no QG e foram levados à Unidade Prisional.
No total, 25 policiais foram denunciados; 13 deles já estão presos.


O sargentos da Polícia Militar do Rio Reinaldo Gonçalves e Lourival Moreira e o soldado Wagner Soares se apresentaram na tarde desta quarta-feira (23) no Quartel General da PM, no Centro do Rio, e após realização de exames no Hospital da Polícia Militar, foram conduzidos à Unidade Especial Prisional, em Benfica, na Zona Norte. Após denúncia do Ministério Público (MP), a Justiça decretou na terça-feira (22) a prisão dos três militares por envolvimento no caso da tortura e morte do ajudante de pedreiro Amarildo, desaparecido no dia 14 de julho.
Vinte e cinco PMs foram denunciados no total, todos da UPP Rolcinha. Além dos três presos nesta quarta, 10 já estavam detidos desde o dia 4 de outubro, e outros 12, incluindo três mulheres, vão responder em liberdade. O G1 tentou contato com os advogados que representam os policiais, mas não obteve retorno até as 21h30.
Habeas corpus negado
O major Edson Santos, ex-comandante da UPP Rocinha, e o tenente Luiz Felipe de Medeiros, subcomandante da unidade, presos desde o início do mês, são os únicos que foram transferidos da Unidade Especial Prisional para a penitenciária Bangu 8, no Complexo de Gericinó, na Zona Oeste. A medida, segundo a Justiça, teve como objetivo preservar as investigações do caso. Nesta quarta, eles tiveram o pedido de habeas corpus negado pela 8ª Câmara Criminal.


g1.globo