•  
     

Sob pressão emocional, Bernado de xodó vira decepção

Sob pressão emocional, Bernardo vai de xodó a decepção no Vasco
Inadimplência do clube somada à necessidade de cumprir compromissos pessoais fazem meia buscar rescisão e ficar próximo da saída.


Já era madrugada de 9 de junho de 2011 e o Vasco ainda comemorava o título inédito da Copa do Brasil. No gramado e no vestiário do Estádio Couto Pereira, após a partida contra o Coritiba, Bernardo abraçou alguns dirigentes do clube e pediu:
- Comprem meu passe! Comprem meu passe!
Xodó da torcida pelas atuações decisivas entrando no segundo tempo das partidas, Bernardo não demorou a criar indentificação com o clube e nunca escondeu seu desejo de ficar por muito tempo em São Januário. No entanto, a relação pode estar perto do fim. Na última quarta-feira o jogador entrou com uma ação contra o clube na 17ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro alegando dois meses de salários atrasados, além do não-recolhimento do Fundo de Garantia (FGTS) e da falta no pagamento de luvas pela assinatura de um novo contrato. Segundo relatos de pessoas próximas, o jogador teria tomado a atitude movido pela insatisfação com a inadimplência cruz-maltina.

E por ter se cansado das várias promessas da diretoria de que a situação seria resolvida. Mas também foi resultado de uma pressão do ponto de vista pessoal à qual um garoto de 21 anos vem tendo dificuldades em suportar e com a qual mostra dificuldades em lidar.

No fim do ano passado, o Vasco se movimentou para pagar R$ 3,5 milhões ao Cruzeiro por metade dos direitos econômicos de Bernardo, no maior investimento do clube na temporada até o momento. O contrato de empréstimo do jogador terminava em 31 de dezembro de 2011 e o Cruzeiro estabeleceu o dia anterior como prazo para que o clube cruz-maltino depositasse a quantia e pudesse firmar vínculo de quatro anos de duração. A cúpula da diretoria vascaína passou todo o dia 30 reunida tentanto levantar os recursos para confirmar a contratação, e o depósito foi efetuado às 15h50m. Dez minutos antes do encerramento do expediente bancário.
O episódio do pedido feito em Curitiba, em junho, foi lembrado a Bernardo quando o jogador esteve reunido com dirigentes em São Januário após a partida contra o Volta Redonda, na noite da última quarta-feira. Segundo relatos de pessoas ligadas à diretoria, o jogador apenas baixou a cabeça e continuou mostrando uma fisionomia fechada. Os responsáveis pelo comando do Vasco mostram-se decepcionados por verem aquele que era uma grande esperança e xodó da torcida tomar uma atitude tão inesperada.
bernardo-rudytrindade-ae.jpg


Em São Januário, chegam aos dirigentes informações de que o acerto com um clube carioca estaria por trás da ação movida por Bernardo. Léo Rabello, empresário do meia, tem uma relação forte com o Flamengo e a presidente Patrícia Amorim. E Rodrigo Caetano, que foi para o Fluminense, tem um carinho especial pelo jogador. Mas independentemente do motivo, a questão financeira vem mexendo com a cabeça do jogador principalmente desde o início de 2012.

Sem pagamento do Vasco, dificuldade para lidar com finanças
Bernardo recentemente comprou uma casa para os pais em Sorocaba (SP). Aos 21 anos e ainda sem muitas reservas econômicas, contava principalmente com o dinheiro das luvas relativas ao novo contrato com o Vasco para quitar o investimento e manter as contas em dia. De acordo com pessoas próximas, o atraso do clube no pagamento mexeu com o lado emocional do jogador, que, além de já ser pai de três filhos, está em processo de separação com a esposa, que está gravida.


FONTE: por Gustavo Rotstein