•  
     

Protestos da Irmandade Muçulmana terminam em confronto no Egito

Protestos da Irmandade Muçulmana terminam em confronto no Egito
Grupo foi banido pela Justiça egípcia; há relatos de mortes.
Manifestantes protestam contra militares, que derrubaram o presidente.
Do G1, em São Paulo


12 comentários

Protestos da Irmandade Muçulmana terminam em confronto no Egito (Foto: Mohamed Abd El Ghany/Reuters)
Protestos da Irmandade Muçulmana terminam em confronto no Egito (Foto: Mohamed Abd El Ghany/Reuters)
Milhares de partidários da Irmandade Muçulmana desafiaram nesta sexta-feira (4) o banimento imposto pela Justiça e marcharam pelas ruas do Cairo, rumo ao local em que ocorreu o massacre de agosto, segundo testemunhas.
saiba mais
Leia mais notícias sobre o Egito
Os manifestantes gritavam nesta sexta-feira palavras de ordem pedindo a queda de Sisi e agitavam bandeiras do Egito.
Veículos militares teriam disparado tiros contra apoiadores da Irmandade Muçulmana perto da Praça Tahrir. A polícia egípcia lançou bombas de gás lacrimogêneo contra manifestantes islâmicos. Um correspondente da AFP declarou que a polícia também disparou balas reais para o ar para dispersar a multidão.
Segundo fontes médicas, um manifestante morreu após ser baleado no confronto.
Pessoas que estavam de fora da manifestação jogaram pedras contra os manifestantes, que as lançaram de volta.
Confrontos também ocorreram entre apoiadores e opositores de Morsi em Alexandria e em duas outras cidades no delta do Nilo.
Os manifestantes protestam contra o chefe do Exército, Abdel Fattah al-Sisi, que derrubou o presidente islamita Mohamed Morsi em 3 de julho, ampliando a crise política no país.

g1.globo