•  
     

Homem se revolta contra ordem de despejo e mata quatro pessoas na Alemanha

Imagem

Berlim, 4 jul (EFE).- Um homem matou nesta quarta-feira quatro pessoas e depois se suicidou com um disparo na cabeça ao receber uma ordem de despejo na cidade de Karlsruhe, na Alemanha, informou a polícia local em entrevista coletiva.

Os quatro mortos são o oficial de justiça que iria executar o despejo, o chaveiro que o acompanhava, o novo proprietário do imóvel e sua antiga dona, que também era namorada do assassino.

O porta-voz da polícia, Roland Lay, explicou horas depois dos fatos em entrevista coletiva que o agressor não tinha antecedentes por violência ou agressões.

No entanto, explicou que ele estava "fortemente armado" e que tudo indica que o homem tenha planejado a ação. Lay disse que os fatos foram uma tragédia e que não era possível "prever que o assassino fosse se comportar dessa maneira".

O incidente ocorreu na manhã de hoje, quando o oficial, o chaveiro, o dono do imóvel, a antiga proprietária e mais um funcionário público (que seria testemunha do despejo) foram para o local onde ocorreu o crime.

O homem de 49 anos, um aficionado por caça, deixou as cinco pessoas em sua sala, foi para um quarto e depois retornou com uma pistola, segundo o relato policial.

Em seguida, disparou dois tiros na perna do oficial de justiça por ele não ter se sentado no sofá, e obrigou o chaveiro a amarrar o ferido e o novo proprietário da residência.

A polícia acredita que o chaveiro, em um momento de distração do assassino, tentou roubar sua arma e em seguida recebeu cinco tiros do inquilino do imóvel.

O autor do múltiplo assassinato permitiu ainda que o funcionário público deixasse a residência para alertar a polícia sobre seu plano.

A polícia encontrou depois em sua casa duas pistolas, uma escopeta, duas granadas e munição. O funcionário público disse que após sair do imóvel ouviu cinco disparos.

Uma unidade do Comando de Operações Especiais invadiu a residência por volta do meio-dia (hora local) e constatou que os quatro reféns tinham sido executados a tiros, e que o homem se suicidara.