•  
     

Festas na Unicamp são organizadas pelos alunos e não têm nenhum tipo de segurança, afirmam universitários

Festas na Unicamp são organizadas pelos alunos e não têm nenhum tipo de segurança, afirmam universitários
Entrada de qualquer tipo de arma é liberada por falta de fiscalização

As circunstâncias da morte do estudante de engenharia e controle de automação da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), Denis Papa Casagrande, vão aos poucos sendo reveladas.

O incidente aconteceu em uma festa organizada pelos alunos nas dependências da Unicamp na madrugada de sábado (21). Apesar de ter sido realizada dentro da Universidade, a reunião não tinha autorização da instituição para acontecer.

O estudante da PUC-Campinas (Pontifícia Universidade Campinas), Rafael Martinez, 23, costuma frequentar festas da Unicamp e estava na que Denis foi esfaqueado. Ele confirmou a irregularidade no local, que segundo ele, contabilizou cerca de 1.500 pessoas.

— As festas são organizadas pelos alunos e não têm nenhum tipo de segurança. Qualquer um pode entrar.

Por não ter nenhum tipo de restrição ou vistoria, o porte de qualquer tipo de arma é liberado.

Rafael também conta que estava há 30 metros do estudante, quando a briga começou.

— Quando ele caiu muitas pessoas foram pra cima dele, e nisso surgiram vários outros focos de brigas.

Um outro estudante, que não quis ser identificado, também estava na festa e viu o momento em que Denis foi agredido.

— Ele [Denis] estava sem camisa quando caiu. Aparentemente só tinham pessoas contra ele. Quando levantaram ele [Denis] do chão, eu e um amigo vimos sangue na barriga, foi quando percebemos que os ferimento não poderia ter sido causados apenas por socos.

A informação revelada ao R7 de que Denis teria sido atingido, primeiramente, por um skate, não é rejeitada por Sidney Nakamura, 25, outro universitário que esteve na festa.

— Eu não vi nada. Mas não confirmo e nem descarto a possibilidade, já que o campus da Unicamp é aberto e muitas pessoas andam de skate por lá.

Rafael Martinez e Sidney Nakamura estudam na PUC-Campinas e foram juntos a festa organizada por estudantes da Unicamp. Sidney chegou a ver quando Denis Casagrande foi tirado da briga.

— Eu vi quando ele foi levantado pelos amigos. Não sabia da gravidade porque mesmo andando com ajuda, ele aparentava estar bem. Andava com dificuldade, mas até aí poderia ser por causa da bebida.

Leia mais notícias de São Paulo

Os entrevistados não confirmam a presença de um grupo punk na festa, como foi noticiado.

— Acho que o cara que estava contra ele [Denis] tinha moicano.

Os estudantes Rafael Martinez e Sidney Nakamura vão frequentemente às festas na universidade e confirmam a diversidade de grupos que frequentam os eventos.

— Não sabemos se eram punks ou não. Mas, vários tipos de pessoas de diferentes grupos frequentam a Unicamp. O espaço é aberto.

Nenhum dos entrevistados conhecia Denis Casagrande ou Anderson Marcelino Mamede, apontado como suposto autor do crime. Eles apenas estavam na festa no momento em que o incidente ocorreu.

r7.com