•  
     

Diferenças entre Servidor Cloud e Data Center

Como funciona o Cloud Computing?
Diferente dos servidores físicos, no cloud computing as informações não são alocadas em uma única máquina. Um conjunto de máquinas é que realizam o processamento das informações, um verdadeiro compartilhamento da capacidade de cálculo e de memória, ligados através da Web.


O surgimento de sistemas baseados em cloud computing aumentou consideravelmente nos últimos dois anos, devido principalmente à uma redução considerável nos custos de hospedagem e transmissão de grandes volumes de dados. Por este motivo hoje é possível encontrar sistemas de edição de documentos, planilhas eletrônicas, armazenamento de fotos que você pode utilizar sem instalar nada no seu computador.
Essa praticidade transforma a Computação nas Nuvens em algo desejado pela maioria dos usuários da Internet, uma vez que não precisem mais de se preocupar com a instalação de software, atualização, upgrade de hardware, etc. Para o lado do cliente/usuário isso é ótimo, simplifica e amplia as possibilidades que o usuário pode ter com qualquer máquina, mas temos o lados das empresas corporativas, que ainda não tem o conhecimento profundo sobre o assunto segurança nessa nova tecnologia.
A questão de segurança é de fundamental importância. O ritmo e disseminação da computação em nuvem está diretamente relacionado com o grau de confiança no modelo e nas tecnologias envolvidas. Sem se sentir confortável com o nivel de segurança obtido, os gestores das empresas não tomarão decisões favoráveis. Assim, conhecer os múltiplos aspectos que envolvem segurança em Cloud Computing é obrigação de todo gestor ou profissional de TI. O relatório começa com um nivelamento dos aspectos conceituais da computação em nuvem, seus modelos de serviço (Infrastruture-as-a-Service, Platform-as-a-Service e Software-as-a-Service) e de entrega (public ou private clouds). A partir daí descreve os aspectos críticos que se relacionam com segurança, divididos basicamente em dois domínios: o domínio da governança (incluindo fatores como riscos, compliance, auditoria, inreoperablidade entre nuvens e assim por diante) e operacional, que inclui variáveis como operação do data center em cloud, continuidade do negócio, gerenciamento de identidades de acesso, virtualização, etc.

Imagem

Como funciona o Servidor Físico/Dedicado?
O "servidor dedicado/físico" é mais usado com relação a servidores hospedados em datacenters, onde você paga uma mensalidade para ter acesso a um servidor completo, administrado remotamente, usados sobretudo para hospedagem de sites.
Servidor dedicado, nada mais é que um equipamento ligado 24 horas por dia em um link de internet de alta velocidade em uma empresa ou em um internet data center. É a preferida entre sites de alto tráfego, portais de conteúdo muito visitados ou por empresas que queiram hospedar suas aplicações aliando máxima performance com maior segurança e sigilo da informação hospedada.
Muitos fatores devem ser observados, tais como, escolha e instalação do sistema operacional, compilação dos pacotes de softwares web (o famoso LAMP) e configuração dos aspectos de segurança do mesmo. É por isso que a maioria das empresas ou pessoas que contratam um servidor dedicado optam por também contratar o gerenciamento e monitoramento de dedicados de empresas especializadas.
Esses servidores dedicados levantam muitos requisitos necessários na hora de sua utilização, porque só é fornecido o hardware, o resto você deve configurar conforme suas necessidades, porém configurar um servidor dedicado não é algo tão simples, sem contar a necessidade de pagar por esse serviço de servidor dedicado.

As Diferenças
A diferença entre o aderir ao Cloud Computing ou ficar no servidor físico pode ser entendida de diversas formas.
Cloud Computing usa servidores físicos que hospedam servidores virtuais que são usados para determinada funcionalidade e/ou serviço. Ainda podemos chegar ao ponto de que um fornecedor de serviços em nuvem pode até optar pelo uso de vários servidores físicos, tendo, neste caso, que arcar com o ônus de sua escolha.
Servidor físico simplesmente vai abrigar o serviço e/ou funcionalidade, sendo ele dedicado a um fim específico ou não.
Simplificando, Cloud Computing oferece disponibilidade, sem nenhum ponto de falha; e escalabilidade – no qual o cliente escolhe a combinação de memória, poder de processamento e storage de alta performance para permitir que o seu negócio funcione da forma mais eficiente possível.
No Cloud Computing o fator “segurança” deve, a meu ver, ser inerente à comodidade que se tem em poder acessar minhas informações de qualquer lugar do mundo. Ao fornecedor da aplicação cabe todas as tarefas de desenvolvimento, armazenamento, manutenção, atualização, backup, escalonamento, etc.

O Lado Corporativo
Pensando no lado corporativo devemos destacar alguns pontos que a empresa precisa considerar para acolher essa tecnologia:
- Custos com aquisição de software de servidor e/ou TCO (Total Cost Ownership)
Toda empresa possuí gastos consideráveis com softwares de servidor para prover acesso a informações, aplicações e arquivos particulares. Nestes gastos estão presentes softwares para File Server, DNS, Firewall, Proxy, Banco de Dados, Web Server, etc. No Cloud Computing estes custos irão cair consideravelmente, visto que, com a compra dos serviços específicos, cabe ao fornecedor pensar em qual software irá usar e o cliente somente acessa as informações neles contidas. Isto entra no conceito de “Software as a Service (SaaS)”
- Custos com profissionais
Ao adentrar ao Cloud Computing, a corporação diminui quase que, em 100% seu quadro de profissionais de TI, sem a necessidade de profissionais que tomam conta do servidor e o administra. A empresa só vai manter os funcionários que atuarão como pontos de contato entre cliente e fornecedor, entendendo as necessidades da empresa, solicitando ao fornecedor e garantindo que a necessidade será suprida por determinado serviço a ser contratado.
- Economia em energia e hardware
Como toda, ou boa parte da infra estrutura de TI de determinada corporação vai estar hospedada em um fornecedor especializado, o atual datacenter sofrerá mudanças radicais, fazendo com que o número de ativos diminua sensivelmente juntamente com o gasto em energia elétrica, sem contar com a diminuição na necessidade de hardware próprio para dar suporte pra sua rede.

Esses são alguns pontos a serem pensados na hora de escolher o Cloud Computing pra sua empresa, porém não são os únicos, tem também o lado "negativo":

A comentada segurança em Cloud Computing
Apesar de muitas empresas estarem aderindo ao Cloud Computing, muitas ainda ficam paradas na questão “segurança”. Qual a garantia de que meus dados estão 100% seguros? Como meu fornecedor se adequa às leis de determinado País onde tenho informações armazenadas? Como posso me sentir seguro em relação aos dados que estão armazenados proveniente dos serviços contratados?
Os atuais fornecedores oferecem o conceito de “Private Cloud” (Núvem Privada). Onde sua empresa acessa seus dados e aplicações em uma infra estrutura dedicada via um portal seguro.
Esta tema dentro do Cloud Computing vem sendo fundamental para atrair mais clientes corporativos.
Mas esse assunto ainda precisa amadurecer muito para não haver mais duvidas sobre a questão segurança em Cloud Computing, resolvido esse problema, as empresas irão aderir a essa tecnologia e acabar com todos os servidores dedicados que podem causar muitos gastos e problemas.

O fim de uma era
Apesar destes obstáculos, a adesão ao Cloud Computing e o fim do uso de servidores físicos é algo certo e quem não estiver dentro deste barco pode, futuramente, ficar muito atrás de seus concorrentes.
As empresas vão entender que Cloud Computing vai substituir os servidores dedicados, por seus pontos positivos, só precisa ser amadurecido o lado de segurança em Cloud Computing para conquistar todas as empresas e se consolidar como a nova era da tecnologia em servidores de aplicações Web.


Fonte: GamesGBR