•  
     

Cuidado: você pode ter duas caras

Imagem


Um abraço aqui, sorrisos, palavras agradáveis. A pessoa vira as costas e no mesmo instante se torna alvo de críticas pesadas, comentários desnecessários, apontamentos sobre a roupa, cabelo, enfim, a falsidade reina soberana.

Para a psicóloga Regiane Machado algumas pessoas gostam de ter duas caras e criam um “eu” idealizado. “Isso acontece porque acreditam que desse modo serão aceitas em determinados lugares ou por certos grupos de pessoas. Não assumem nada ou não demonstram 100% o que realmente são. E muitas vezes nem sabem quem de fato são.”


Regiane explica que essa atitude pode ser motivada por diversos fatores. “A insegurança, baixa autoestima, a falta de aceitação de si, ter traumas de outros relacionamentos, necessidade de mostrar o que de fato não é, querer agradar as pessoas e também não conhecer e valorizar o que realmente é.”

Essa falsidade pode acontecer inocentemente, ou seja, sem que a pessoa tenha consciência que está sendo falsa. “Isso é possível principalmente quando não se conhece e não sabe do que é capaz. Criou conscientemente ou inconscientemente ao longo do tempo um falso eu, por achar que não é suficientemente bom e por isso as pessoas não vão lhe aceitar ou amar, passando a demonstrar uma personalidade criada e não a real”, explica Regiane.

Parece uma “bola de neve”, mas é possível conseguir ter a consciência de que não é uma pessoa verdadeira com os outros e livrar-se da sua outra face. “Pode acontecer por vontade própria ou por circunstâncias da vida, pois a pessoa começa a se questionar quem é, como está e que rumo tomará, podendo até mesmo entrar em conflito porque não consegue se reconhecer e sente-se perdida. E para livrar-se de vez do seu lado falso é preciso buscar olhar para dentro, (re) descobrir-se, e se for preciso (re) criar um caminho que realmente condiz com gostos, vontades e personalidade. Desse modo, chegará cada vez mais perto daquilo que é, e a necessidade de não ser verdadeira ficará dia a dia mais remota”, esclarece Regiane.

Brecando a falsidade no futuro

Para que essa falta de verdade não seja cada vez mais recorrente nas gerações vindouras é preciso saber tratar as crianças nos dias atuais. “Ser o mais verdadeiro e coerente possível com palavras, emoções e ações. E quando perceber que seu filho está agindo de forma incoerente com o que é, para agradar os outros ou por qualquer motivo, aponte essa atitude dele e converse demonstrando o quão importante é ser verdadeiro e que as pessoas vão amá-lo como ele é. Dessa forma há maior possibilidade de ele ser ainda mais feliz”, ressalta Regiane.

A psicóloga enfatiza que o crescimento da falsidade é resultado da ação da sociedade e da mídia que ditam as regras de como a pessoa deve pensar, agir e sentir para ser feliz por completo. “Juntas apresentam às pessoas como devem pensar, falar, comportar-se, sentir, enfim, a maneira como devem ser. Por causa das circunstâncias vividas, tornam-se reféns da mentira, por não se verem com estas personalidades perfeitas e criam um eu falso para viver.”

Para conviver com pessoas que apresentam essas características mentirosas é necessário ter cautela. “No convívio diário existem pessoas falsas. Seja cauteloso ao lidar com elas, pois podem querer prejudicar quem está no seu caminho para conseguir aquilo que almejam. Não conte intimidades e talvez conquistas. Sendo possível e não gostando de ficar perto desses perfis, afaste-se”, finaliza Regiane.


Fonte
 
Na verdade , a falsidade e a mentira são como uma fusão , as vezes , temos que contar uma coisa, mais ilustrar melhor para não ficar uma história ruim ou um acontecimento mal contado ou feito ,

a falsidade , vai de cada um , alguns uzam para ter mais amigos , uns para ganhar as coisas mais facilmente , outros por ódio e vingança , mas isso é um critério , cada um vai fazr isso uma vez na vida , por um motivo ou outro , mas é claro enganos acontecem.