•  
     

Corinthians faz 6 após quatro anos, atropela o Táchira e fica entre os três melhores da 1ª fase

Imagem


O Corinthians das vitórias simples sobrou nesta noite no Pacaembu. Com inspirada atuação ofensiva, o time fez 6 a 0 sobre o Táchira com seis jogadores diferentes, chegou aos 14 pontos no grupo e é o segundo melhor colocado na classificação geral da Libertadores atrás do Fluminense - pode ser superado nesta quinta-feira pelo Atlético Nacional caso os colombianos vençam a Universidad do Chile por dois gols.

Além de conquistar o objetivo, o Corinthians faz seis gols numa partida depois de quatro anos e quatro meses. Em fevereiro de 2008, o time fez 6 a 0 no Barras pela Copa do Brasil. Pela Libertadores, o time havia feito 6 a 0 na LDU, em 2000, e 8 a 2 no Cerro Porteño, em 1999.

No primeiro tempo, o eliminado Deportivo Táchira não chegou nem perto do gol de Júlio César. Já o Corinthians conseguiu estabelecer um bom ritmo de jogo no ataque, abrindo o placar com Danilo, que de cabeça fez o terceiro dele na Libertadores, e ampliando com Paulinho, que fez bela tabela com Liedson e completou para fazer o segundo.

Ainda aos 35 minutos, Rouga foi expulso e deixou as coisas ainda mais fáceis para o Corinthians. Na volta dos vestiários, Tite poupou Chicão, com desconforto muscular, e voltou com Weldinho - Ralf foi para a zaga e Edenílson ocupou o meio. Depois foi Danilo quem levou a mão à coxa e deu lugar a Douglas.


Com o rival totalmente entregue, o Corinthians fez o terceiro com Jorge Henrique, o quarto com Emerson e o quinto com Liedson, que bateu pênalti sofrido por Sheik, parou no goleiro e marcou no rebote - o mesmo Liedson ainda carimbou a trave momentos depois. No fim, ainda deu tempo de Liedson sofrer pênalti e desta vez Douglas bater para garantir o sexto.

O JogoNo duelo entre líder e lanterna, a lógica prevaleceu. Com uma blitz inicial, o Corinthians não demorou muito a inaugurar o placar. Depois de bater falta direto pela linha de fundo, Emerson teve nova oportunidade aos 17 minutos e calibrou o pé. O atacante levantou a bola para Danilo, sozinho, cabecear no contrapé do goleiro Rivas e fazer o primeiro gol da partida, seu terceiro nesta edição da Libertadores.

Sem sofrer sustos, o time da casa ampliou a vantagem nove minutos mais tarde com um golaço de Paulinho. O volante recebeu de Liedson no meio-campo e tabelou outras duas vezes com o atacante para receber de volta na pequena área e anotar o segundo gol do Corinthians. Pouco depois, Liedson quase deixou o seu também, ao ver o goleiro adiantado e tentar encobri-lo. A bola caiu em cima da meta, mas o camisa 9 ­ que não vive boa fase neste ano ­ foi aplaudido mesmo assim.

Atrás no marcador, o Táchira, que facilitava muito o trabalho de Julio Cesar nesta quarta-feira, ficou ainda mais fragilizado a dez minutos do fim do primeiro tempo, quando o zagueiro Rougas entrou duro em Danilo e recebeu o cartão vermelho. Em vantagem no número de gols e de atletas, o Corinthians tirou o pé antes, porém teve uma última chance antes do intervalo, em cabeceio fraco de Jorge Henrique que foi defendido sem problemas por Rivas no canto esquerdo baixo.

Ainda no vestiário, Tite foi obrigado a fazer uma alteração em sua equipe. O zagueiro Chicão sentiu incômodo em músculo da coxa esquerda e foi substituído pelo lateral direito reserva Welder, já que o banco não tinha opções de ofício para o setor. Assim, o volante Ralf foi deslocado para a dupla de defesa com Leandro Castán, e Edenílson deixou a ala para formar o meio-campo com Paulinho.

Apesar das mudanças forçadas no esquema, o Corinthians continuou soberano na partida. Foi então que os atacantes definitivamente entraram em cena. Aos 17 minutos, Jorge Henrique recebeu livre na entrada da área, pelo lado direito, e chutou cruzado rasteiro para marcar o terceiro gol. Sete minutos depois, Emerson aproveitou rebote dentro da área e, de primeira, soltou uma pancada no ângulo direito para tornar o triunfo uma goleada.

Na sequência, Emerson invadiu a área em velocidade e foi derrubado com falta. O atacante Liedson, que não gosta de cobrar pênalti ­ mas vem treinando há duas semanas juntamente com o resto do elenco ­ teve o nome gritado pela torcida e pegou a bola. A batida não foi das melhores. O goleiro acertou o canto e fez a defesa, mas deu rebote. Liedson pegou a sobra e não perdoou, anotando o quinto. Também de pênalti, aos 38, Douglas fechou o atropelamento.

FICHA TÉCNICA:CORINTHIANS 6 X 0 DEPORTIVO TÁCHIRA-VEN
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data: 18 de abril de 2012 (quarta-feira)
Horário: 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Patricio Polic (CHI)
Assistentes: Sergio Román (CHI) e Marcelo Barraza (CHI)
Cartõesamarelos: Parra e Díaz (Táchira)
Cartãovermelho: Rouga (Táchira)
Gols: CORINTHIANS: Danilo, aos 17, e Paulinho, aos 26 minutos do primeiro tempo; Jorge Henrique, aos 17, Emerson, aos 24, Liedson, aos 27, e Douglas, aos 38 minutos do segundo tempo
Público: 27.379 pagantes
Renda: R$ 1.624.785,00

CORINTHIANS: Julio Cesar; Edenílson, Chicão (Welder), Leandro Castán e Fábio Santos; Paulinho, Ralf e Danilo (Douglas); Emerson (Willian), Jorge Henrique e Liedson
Técnico: Tite

TÁCHIRA: Rivas; Chacón, Ángel, Rouga e Arocha (Clavijo); Fernández, Villafraz (Guerrero), García e Parra (Díaz); Arias e Cásseres
Técnico: Jaime de la Pava

Fonte