•  
     

Chris Weidman nocauteia Muñoz no UFC e pede: 'Quero Anderson Silva'

Peso-médio acerta cotovelada decisiva no segundo round e segue invicto em nove lutas no MMA. Evento do UFC em San Jose teve bons combates

O americano Chris Weidman impressionou nesta quarta-feira ao derrotar Mark Muñoz por nocaute técnico no segundo round, no evento principal do UFC: Muñoz x Weidman, em San Jose, EUA. O peso-médio está invicto em nove lutas e pediu para enfrentar Anderson Silva, atual campeão da categoria, em sua próxima luta.
- Quero o Anderson Silva. Treinei todo meu campo de treinamento pensando em enfrentar o Anderson Silva. Por favor, me deem uma chance - disse Weidman logo após a vitória.

Imagem
Chris Weidman comemora a vitória sobre um desolado Mark Muñoz em San Jose (Foto: Agência AP)

Chris Weidman começou melhor e derrubou Muñoz com um single leg. Quando o filipino-americano tentou levantar, levou joelhadas no corpo. Weidman transitou para a posição norte-sul. Muñoz girou para se proteger, mas o americano logo partiu para uma guilhotina. Não importava o que o filipino fazia, Weidman atacava com pressão, e levou o primeiro round com tranquilidade.
O segundo round começou igual ao primeiro. Muñoz tentou um ataque e Weidman imediatamente catou sua perna esquerda. Desta vez, porém, o filipino-americano conseguiu se levantar e foi para a trocação. Entretanto, ao tentar um cruzado de direita, Muñoz levou uma cotovelada certeira no rosto e foi à lona. No chão, o lutador sofreu uma série de socos de direita de Weidman; o árbitro Josh Rosenthal demorou a encerrar o combate e decretar o nocaute técnico. A demora foi criticada pelo presidente do Ultimate, Dana White, através do Twitter. Alheio à polêmica, Weidman dedicou a vitória à esposa e pediu aplausos a Muñoz.
- Minha esposa acabou de ter bebê e se sacrificou muito por mim, quero agradecê-la demais. Vinha treinando cotoveladas e isso vem sendo muito útil na minha carreira. Peguei a distância. Jon Jones vem mostrando bem como se usar a cotovelada e peguei isso dele. O Mark Muñoz é um guerreiro, vem de uma cirurgia e todo lutador sabe que é muito duro voltar disso.

Boas lutas no card principal

O brasileiro Rafael dos Anjos abriu o card principal com uma vitória dominante sobre o nigeriano Anthony Njokuani. Em seguida, TJ Dillashaw se saiu muito bem contra Vaughan Lee e aproveitou um chute alto que passou no vazio para derrubar o adversário. O lutador da equipe Alpha Male pegou as costas de Lee e logo encaixou um mata-leão de pé para finalizar a luta, aos 2m33s do primeiro round.
Na terceira luta do card, o tcheco Karlos Vemola tentou impor seu wrestling contra o francês Francis Carmont desde o começo e quase conseguiu uma guilhotina. Carmont, todavia, raspou, inverteu a posição e tentou uma americana. O tcheco escapou e novamente fechou uma guilhotina perigosa. No segundo assalto, porém, o francês veio bem melhor, acertou um pisão no queixo que Vemola sentiu. O tcheco tentou uma nova queda, mas Carmont caiu com um crucifixo encaixado. Vemola escapou e o francês fechou um mata-leão para finalizar a luta, a 1m39s do segundo round.

Pelos pesos-meio-médios, Aaron Simpson estreou na categoria com uma vitória por decisão unânime sobre Kenny Robertson, ao derrubar o adversário repetidas vezes e usou seu wrestling para dominar. O co-evento principal foi um duelo entre os pesos-meio-pesados James Te Huna e Joey Beltran. Te Huna foi melhor no primeiro round e quase derrubou o adversário com uma série de golpes no boxe. A impressão foi de que Beltran foi salvo pelo gongo. O australiano continuou melhor no segundo assalto, mas quase foi nocauteado com um golpe de esquerda do californiano no final. No último round, quando Beltran começava a gostar da luta, Te Huna botou o rival para baixo duas vezes. Os dois terminaram o combate trocando golpes, mas James Te Huna saiu com a vitória por decisão unânime dos jurados.