•  
     

Ao menos 14% dos deputados estaduais trocam de partido

Ao menos 14% dos deputados estaduais trocam de partido
Terminou sábado (5) prazo de filiação para quem quer concorrer em 2014.
Nas assembleias, pelo menos 148 dos 1.059 deputados trocaram de sigla.
Ao menos 148 deputados estaduais e distritais, ou 14% dos 1.059 em exercício, mudaram de partido para disputar as eleições de 2014, segundo informações repassadas pelos partidos e assembleias legislativas nos estados e Distrito Federal. O levantamento foi feito por jornalistas do G1 em todos os estados do país.
PARTIDOS QUE MAIS GANHARAM E MAIS PERDERAM FILIADOS ENTRE OS DEPUTADOS ESTADUAIS
MAIS GANHARAM MAIS PERDERAM
PROS 32 PSB 23
Solidariedade 19 PSD 17
PMDB 18 PR 10
PSB 13 PDT 8
PTB 7 PSC 8
PTN 6 PSDB 8
DEM 6 PMDB 8
PP 6 PRTB 7
PDT 4 DEM 7
PV 4 PEN 7
PSDB 4 PTB 6
PSD 4 PT 5
PSL 3 PPS 5
PRTB 3 PV 4
PSC 3 PMN 4
PCdoB 3 PHS 3
PR 2 PTdoB 3
PPS 2 PTN 2
PRB 2 PP 2
PSOL 1 PRB 2
PTC 1 PSDC 2
PEN 1 PSL 2
PTdoB 1 PTC 1
PRP 1 PPL 1
PMN 1 PCdoB 1
-- -- PRP 1
O prazo para filiação terminou no sábado (5). A legislação estabelece que, para disputar as eleições, o candidato deve estar filiado pelo menos um ano antes do pleito. Os partidos têm até o dia 14 para entregar à Justiça Eleitoral a lista dos filiados.
A eleição de 2014 escolherá presidente, governadores, senadores, deputados federais e deputados estaduais.
As novas siglas criadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) neste ano, PROS e Solidariedade, foram as que mais receberam novos filiados entre os deputados estaduais. São 32 e 19 novos membros, respectivamente.
Os partidos que mais perderam integrantes nas assembleias foram o PSB (23 deputados) e o PSD (17). O primeiro recebeu 13 novos membros e o segundo, 4.
A maior parte dos que deixaram o PSB são do Ceará (7), onde o governador Cid Gomes migrou para o PROS, levando parte de seu grupo político. Cid Gomes ficou sem espaço no PSB ao criticar a saída da legenda do governo Dilma Rousseff para viabilizar a candidatura do governador de Pernambuco e presidente nacional do partido, Eduardo Campos, ao Palácio do Planalto.
O PSDB perdeu oito membros entre deputados e ganhou outros quatro. O PT perdeu cinco membros e não registrou nenhuma nova filiação nas assembleias.
O número de deputados que trocaram de partido está sujeito a alteração porque pode haver parlamentares que mudaram, mas ainda não notificaram as assembleias.
A rejeição pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na última quinta-feira (3) do registro da Rede Sustentabilidade, da ex-senadora Marina Silva, fez com que, nos últimos dias, migrassem para outros partidos vários apoiadores que aguardavam a criação da nova legenda.
Foram os casos, por exemplo, dos deputados Domingos Dutra (do PT para o SDD), Miro Teixeira (do PDT para o PROS), Walter Feldman (do PSDB para o PSB) e Alfredo Sirkis (do PV para o PSB).

g1.globo