•  
     

A cruel síndrome do pânico

Patologia psiquiátrica, o transtorno muitas vezes é confundido até pelos profissionais da saúde com um simples chilique

Vertigem, taquicardia, falta de ar, sudorese, sensação de impotência, certeza de que a morte se aproxima, desespero. Embora mais conhecidas do que eram há 20 ou 30 anos, as sensações experimentadas pelas vítimas do transtorno do pânico ainda causam um impacto devastador na vida dos atingidos. Por ser uma síndrome psiquiátrica, a patologia gera preconceitos e mal-entendidos em todo o mundo. Em geral, ninguém imagina ou aceita ser vulnerável ao mal.

Antes de passar pela primeira crise de pânico, a designer Débora (nome fictício), de 28 anos, que prefere não revelar sua identidade, já sabia do estrago que a desordem pode causar no dia a dia de quem sofre com ela. "Minha irmã lida com o problema há pelo menos uma década. Eu via o sofrimento, as limitações que a doença insistia em lhe impor. Ainda assim, não é possível ter a exata dimensão e entendimento. Hoje, acredito que só vivendo na pele o desassossego de sentir pânico para se ter uma ideia da gravidade. Não tratar é agonizar. É ver a vida perder o sentido", desabafa.

A primeira crise de Débora ocorreu no ano passado. Ao tentar embarcar para uma viagem de trabalho, ela foi acometida por uma sensação desesperadora de impotência absoluta diante das manifestações físicas e emocionais que lhe invadiram. Os sintomas clássicos da síndrome foram desencadeados de repente. "Ao entrar no avião, comecei a chorar desesperadamente. Sentia que ia morrer. Comissários e piloto tentaram me acalmar. A sensação de medo era tão grande que saí correndo. Alguns meses depois, voltei a sentir o mesmo quando estava dirigindo. Sinto que sou extremamente frágil e incapaz de reagir. É desesperador", conta.

O psiquiatra Fábio Leite explica que o transtorno do pânico é uma reação desproporcional de extrema ansiedade e medo a uma determinada situação, que pode ou não ser específica. Segundo ele, no decorrer da vida nos deparamos com ameaças que provocam temor, sentimento que mexe física e emocionalmente com qualquer ser humano e que é até saudável, porque acaba se revelando uma proteção. Porém, no paciente com pânico, as reações fisiológicas e emocionais ocorrem sem motivo aparente. A pessoa fica altamente insegura porque perde o controle, tem certeza de que nada pode fazer para sair da crise. "A sensação é realmente de morte, de impotência. O indivíduo passa a sofrer de uma ansiedade antecipatória e fica refém do medo de sentir o surto novamente. Boa parte deles desenvolve a agorafobia (medo de estar em espaços abertos ou no meio de uma multidão) e, com todo esse transtorno, vem o constrangimento social. Muitas pessoas acham que é frescura, descontrole."

O quadro é sério e diversas pesquisas sugerem que o funcionamento cerebral e corporal desse tipo de paciente é diferente do dos indivíduos que nunca desenvolverão a síndrome. Leite lembra que algumas drogas, como anfetaminas, corticoides, maconha, cocaína e ecstasy, assim como algumas doenças, podem desencadear episódios de pânico. Mas há também a ocorrência de crises sem qualquer fator claramente identificado, que a ciência ainda não conseguiu explicar. Existe também a forte suspeita de hereditariedade. "É importante entender que qualquer ser humano pode ter um episódio de pânico, mas o diagnóstico do transtorno é confirmado somente quando a pessoa tem mais de uma crise em um curto período de tempo - em média, 1 mês. Também avaliamos os sintomas e o comprometimento da vida desse indivíduo em função delas."

O adulto jovem, entre 30 e 40 anos, é o alvo predileto da síndrome. As mulheres são mais vulneráveis. Além das alterações cardiorrespiratórias, alguns pacientes sentem manifestações físicas menos comuns, como formigamento e contraturas musculares. O tratamento é medicamentoso, com administração de ansiolíticos e antidepressivos, dependendo do caso. Sem os remédios, a tendência é a piora do quadro e o prognóstico tende a ser depressão e, eventualmente, chega a provocar tentativas de suicídio. Os psiquiatras alertam que a terapia cognitivo-comportamental é essencial para que o paciente entenda o problema e se coloque diante da situação sem perder o controle. Quanto mais precoce o tratamento, maiores as chances de superação.

Resistência

O preconceito em relação às doenças psiquiátricas atrasa o tratamento. Muitos pacientes se negam a procurar ajuda especializada. Alguns chegam ao psiquiatra, mas resistem em aderir à terapia. Enquanto isso, o transtorno avança e leva ao isolamento social.

A servidora pública Ana Maria (nome fictício), de 54 anos, que também prefere não revelar sua identidade, passou um bom tempo sem sair de casa. No dia em que o pânico se manifestou, ela estava trabalhando. Imaginou estar tendo um ataque cardíaco. "Do nada, vieram a taquicardia, a sudorese e a vertigem. Meus pés e minhas mãos gelaram. Achei que não chegaria viva ao hospital. Depois de uma série de exames, os médicos disseram que eu não tinha nada. O mal não aparece em exames. A pessoa acha que está louca", considera.

Antes de iniciar o tratamento, Ana viveu uma situação de total dependência. Não conseguia trabalhar e saía de casa apenas acompanhada do marido. O medo de voltar a ter uma crise a aterrorizava noite e dia. "Tive a sorte de reconhecer que precisava me tratar. Até hoje faço terapia. Tenho crises, mas sei que vão passar.”
Fonte:www.arcauniversal.com

146762115.jpg
146762115.jpg (23.45 KiB) Visto 61 vezes


Como eu sei q ninguem vai ler tudo pelo menos leiam partes q mais chamam sua atençao... abrass